Sudeste Asiático

O que tem no Laos?

Minha mãe está mostrando as últimas fotos que eu postei para o meu pai e segue o diálogo:

_ Nossa, é lindo! Onde é isso?

_ No Laos _ ela responde.

_ Não, mas em que país? _ ele continuou curioso.

_ Ué, no Laos!

_ Eu nem sabia que existia esse país! Sei lá onde fica!

Pois é, parece que a grande maioria das pessoas não sabe nem dizer se o Laos é animal, vegetal ou mineral. Eu mesmo só fui descobrir onde ficava quando estava com o mapa aberto tentando planejar uma rota de viagem que fizesse algum sentido, e lá estava ele quase esquecido entre a Tailândia e o Vietnam.

E olha, não me arrependi de ter encarado 28 horas na pior aventura de ônibus que eu já tive na vida saindo de Hanoi para chegar lá. Tem cachoeira, caverna, ponte que parece que vai cair, lagoa azul, boliche na madrugada, feirinhas de artesanato legitimas, passeio de boia no rio, monge passeando pela rua, templo, e Buda, muito Buda, Buda para dar e vender. Acho que rivalizando com os Budas, só mesmo a quantidade de brasileiros. Para um lugar que ninguém ouvi falar e muito menos sabe onde fica, ainda estou tentando entender como encontrei tantos conterrâneos naquele lugar.

Estou eu tentando apreciar o pôr do sol no templo lotado em cima da montanha com vista para o rio, e, enquanto reclamo dos turistas chineses que sismam em estragar minhas fotos, eis que aparece um mineiro. Descemos as escadas do mesmo templo conversando animadamente em português e então surge um casal de São Paulo. Estamos olhando as quinquilharias na feira de rua e trocamos umas palavras com mais um casal enquanto um grupo de quatro meninas tenta se decidir por qual echarpe comprar. Estamos fazendo cara de paisagem no bar só para usar um pouco o wifi mesmo sem consumir, e olha aí mais dois casais. Estamos quase respirado com a ajuda de aparelhos depois da subida até a caverna e pronto, outro paulista. Estamos dando um mergulho na lagoa e tcharam, uma gaúcha. Estamos fazendo nada no hostel esperando pelo horário do ônibus, e dessa vez, dois cariocas.

Mas o prêmio de melhor interação inesperada com brasileiros com certeza vai para a dupla Gabriel e Gabriel. Eu, sempre a fotógrafa, estou procurando um ângulo descente sem muitas pessoas ao fundo para registrar a minha amiga fazendo pose de sereia no meio da cachoeira. Só que as coisas estão difíceis e eu aviso para ela:

_ A foto iria ficar perfeita se aquele cara saísse dali!

E é claro que o amigo dele está bem ao meu lado, ouve isso e diz:

_ Quem? Aquele ali? Ô, Gabriel, chega pra lá pra menina aqui tirar a foto!

Pelo menos conseguimos a foto do jeito que queríamos e no fim das contas, descobrimos que no Laos, além das cachoeiras, das pontes e dos Budas, também tem muitos, mas muitos brasileiros.

Anúncios

Cenas da uma praia malaia

Todo mundo que me conhece pelo menos um pouquinho sabe que eu não sou do tipo de pessoa que adora praia. Alguns consideram até um sacrilégio uma carioca dizer uma coisa dessas, mas desde que a construção de castelinhos de areia perdeu a graça, praias deixaram de ser um programa que eu aprecie muito ou faça com frequência.

Só que depois de dois meses de viagem, praticamente só pegando temperatura digna de verão brasileiro, geralmente em cidades com bastante concreto, e ostentando marcas ridículas de sol do short e da mochila, até eu estava doida para ir à praia.

Ainda que não seja um destino turístico mega famoso no Sudeste Asiático, a Malásia tem um litoral extenso com praias belíssimas, então decidi que iria aproveitar meus últimos dias no país antes de ir para Bangkok numa ilha chamada Langkawi.

dscn2851

Uma das ilhas menores em Langkawi

No entanto, há algo curioso na Malásia em se tratando de religião: apesar de também ser o lar de cristãos, hindus, budistas e outros, a maioria da população do país é muçulmana. Sim, eu já tinha notado a grande quantidade de mulheres usando o hijab (o lenço na cabeça) e algumas até de burca nas ruas da capital Kuala Lumpur, mas só na ilha tive a real dimensão de como a religião afeta a vida delas (ou não).

Fui fazer um passeio de barco que fazia algumas paradas pelo caminho e, na última delas, paramos numa pequena ilha onde tínhamos 1 hora para aproveitar. Com o sol a pino, um calor opressor e uma praia de águas calmas e transparentes, tudo que eu queria era cair no mar. Mas ao olhar em volta, eu congelei. Só havia mulheres muçulmanas ao meu redor, todas com roupas de mangas e calças compridas, todas usando o hijab, algumas até de meia para não deixar os pés de fora. E eu de shortinho e regata doida para ficar só de biquíni.

Depois de alguns minutos de tensão andando um pouco e aproveitando para tirar umas fotos, resolvi me afastar da parte com a maior concentração de pessoas, e fazer “exposição da figura” mesmo (referência só para quem assistiu “O Clone”). Entrei o mais rápido possível na água e de lá pude ver que, apesar dos homens estarem de boas de bermuda, as mulheres não deixam que a imposição do vestuário impeça que elas curtam a praia. Algumas ficavam sentadas na areia, outras molhavam o pé na beirada, tinha também as que estavam nadando no mar, todas cobertas, mas ainda assim, aproveitando o belo dia na praia como eu.

Para aliviar o meu desconforto inicial, mais barcos atracaram na pequena ilha trazendo outras ocidentais de biquíni, e eu pude apreciar o restante no meu tempo lá me preocupando mais com a possibilidade de um macaco roubar minha mochila do que com o fato de eu estar ofendendo alguém com o meu singelo traje de banho.

Moral da história: não importa a sua religião ou a sua roupa, todo mundo pode curtir um dia de praia. Acho que pelo menos nisso, os cariocas da gema estão certos, e até eu que sou “da clara” tenho que concordar.