É tendência

A nova onda do Facebook

Mesmo tendo certeza que graças a isso vão me chamar de velha ranzinza, decidi escrever sobre esse novo fenômeno do Facebook que simplesmente não faz sentido para mim: a proliferação de correntes engajadas que não engajam ninguém.

Tudo começou a muito tempo atrás quando alguém começou a pedir para as pessoas do sexo feminino colocarem a cor das suas respectivas roupas íntimas, assim, só a cor mesmo, sem explicar nada a ninguém. Não me lembro se foi no dia internacional da mulher ou qualquer coisa parecida, mas na época, como a movimentação nos territórios de Mark Zuckerberg ainda era pequena, pouca gente aderiu.

No ano passado, nesta mesma época de dia das crianças, as pessoas do Twitter começaram um movimento de troca de avatares por desenhos animados para celebrar a infância e relembrar os velhos tempos. Até aí, normal. O povo do Twitter adora mudar de foto toda semana mesmo, um dia é foto com bigode, no outro é foto de roupa de baixo, no outro dia é foto fantasiado de zumbi, toda semana é uma novidade!

Mas voltando ao Facebook, recentemente houve aquela palhaçada de polegadas, que na verdade significavam o número do seu sapato, contra o câncer de mama. Detalhe, não podia explicar o que era para os homens. Agora eu te pergunto: 1) Qual a graça da brincadeira? e 2) Em que isso iria ajudar na luta contra o câncer de mama? Aí teve gente com raivinha porque dez minutos depois de a brincadeira ter começado a explicação vazou para o outro gênero e na mesma semana tentaram emplacar outra (tão besta quanto) em que nós mulheres (eike que vergonha…) tínhamos que colocar um país que simbolizava nosso estado civil. Não faço ideia de qual era o protesto por trás desse joguinho super mirabolante, mas a graça também ficou de fora.

Eis então que no início dessa semana eu recebo a seguinte mensagem:

Troque a foto do seu perfil por um desenho animado ou personagem de gibi que marcou sua infância até dia 12 de OUTUBRO – DIA DAS CRIANÇAS. Uma forma de manifesto contra erotização infantil e qualquer ato libidinoso contra a criança.

A minha pergunta é só uma: COMO É QUE CARGAS D’AGUA MUDAR A MINHA FOTO POR UM DESENHO ANIMADO VAI AJUDAR EM ALGUMA COISA? Ou vai dizer que um pedófilo vai desistir de fazer mal a uma criancinha porque ele viu a sua nova foto de perfil que é a Pequena Sereia? O único resultado dessa corrente inútil é dificultar a nossa vida, porque está difícil identificar quem é quem, viu!

E eu que resolvo questionar as coisas ainda sou chamada de chata, só porque eu me recuso a participar de uma inutilidade dessas, vê se pode? Que saudades do meu Facebook de 2 anos atrás…

P.S: A todos os meus amigos que não entraram nessa, vocês subiram no meu conceito!

Anúncios

Bacon X Catupiry

Existem muitas coisas que eu não entendo no mundo, como a teoria da relatividade e gente que gosta de ir a micaretas, mas ultimamente uma outra coisa vem tirando o meu sono e atiçando meu paladar.

Já reparou que para qualquer lado que se olhe na internet estão falando de bacon? Do dia para a noite todos resolveram concordar que bacon é simplesmente a melhor coisa do mundo e tudo fica melhor com bacon. Acho que até vegetarianos simpatizam com bacon, tamanho o zum zum zum.

Todos ama bacon

Gente, não que eu não goste de bacon, muito pelo contrário, só queria entender o porquê dessa comoção mundial em torno da iguaria suína. Na minha modesta opinião, sou muito mais os laticínios, principalmente os da família do catupiry. Além de ser tão delicioso e engordativo quanto o bacon, o catupiry ainda tem a vantagem de poder ser comido sem o peso na consciência de ter matado um animalzinho inocente. Se bem que acho que me entupiria de catupiry mesmo que dissessem que 1 cão filhotinho morre na produção de cada 500g da gostosura (já estou até me vendo queimando no mármore do inferno depois disso).

Vai dizer que não deu água na boca?

Acho que vou ali fazer um lanchinho, esse post me deu uma certa fome. Será que no menu da lanchonete da esquina tem bacon recheado com catupiry?

E a invasão ruiva continua…

Já tem um tempo que eu estou falando isso e ninguém me leva a sério… De uns tempos pra cá, para qualquer lado que se olhe tem um ruivo à espreita! Hello? Tem até um na novela das oito! Horário nobre! Seis dias por semana!

Assistiu Separação? Reparou na turma para qual a protagonista dá aula? Tem uma garotinha muito ruiva!

E o pessoal que estava fazendo a peça sobre os problemas enfrentados pela massa sardenta? Infelizmente, a peça saiu de cartaz e eu não consegui assistir, mas você acha que os atores estão desempregados? Claro que não! Repara só no comercial da TIM, no cara tomando banho com aqueles “Smurfs on acid” em volta. E tem o outro, no mais novo comercial FANTÁSTICO da Skol:

Começo a achar que aquele papo de extinção dos ruivos era tudo balela! Apenas um estratagema para desviar nossa atenção, colocá-los no papel de coitadinhos enquanto nem percebemos que, na verdade, eles estão a caminho da dominação mundial! Fica a dica!

Odiadores profissionais

Já repararam como está na moda não gostar das coisas? Mas não gostar de qualquer coisa, qualquer coisa mesmo! Ser legal, sorridente e achar tudo lindo é “so last week”. Reclamar e botar a boca no trombone (nunca entendi essa expressão) é super tendência. Porque não basta você não gostar, o mundo inteiro precisa saber que você não gosta daquela coisa.

E é pra isso que serve o Youtube! Para juntar a fome com a vontade de comer desse tipo de gente que adora odiar as coisas e precisa de uma plateia, se não, não tem graça.

E sabe de uma coisa que eu gosto? Achar essas sub-celebridades da internet que odeiam as mesmas coisas que eu. Outro dia eu li em algum lugar que vlogueiros são blogueiros que não sabem escrever. A sorte do mundo é que eu tenho consciência que a minha voz não é nenhum veludo, e por isso eu prefiro escrever meus humildes posts ao invés de gravar vídeos. Se bem que dramatizações sobre o dia-a-dia da minha irmã seriam sucesso garantido…

Mas enfim, já tem um tempão que eu acompanho os vídeos do Felipe Neto, mas as vezes eu fico intimidada porque ele grita muito e eu fico achando que é comigo. Ele até arranjou briga com o Fiuk esses dias no Twitter, e se tiver que escolher um lado, eu fico com o dele, fato. Esse aí é um dos meus preferidos, no qual ele mete o pau em Crepúsculo:

Aí outro dia uma amiga me recomendou um vídeo de um cara que ela disse que era a minha alma gêmea. E depois de passar a tarde toda vendo os vídeos desse cidadão descobri que ela está absolutamente certa! Quando a minha mãe viu a cara desse tal de PC Siqueira disse que de duas uma: ou eu tinha problemas mentais ou oculares, e ela preferia acreditar na segunda opção.

Quando estava procurando os vídeos para colocar nesse post, acabei achando um que tem os dois caras! E melhor, a prova definitiva de que o PC foi feito pra mim: a cadelinha mais linda do mundo (que minha mãe diz que parece um demônio).

Pode dizer que agora você nem me acha tão esquisita assim. Também tem um monte de gente por ai com gostos tão peculiares quanto os meus, e pelo menos meus dois olhos apontam na mesma direção.

Ser ruivo tá na moda

Sabe o que dá dinheiro no mundo da propaganda atualmente? Ser ruivo.

Sem pensar muito consigo lembrar de vários comerciais que andam passando na televisão que tem esses serem simpáticos, avermelhados e sardentos. Tem o do banco, o de uma marca de carros, o do suco (esse tem uma família inteira de ruivos!), da telefonia móvel…

Ser ruivo é garantia de trabalho para modelos comerciais. Deve ser porque, supostamente,  eles são meio raros. Mas ultimamente pra onde eu olho acho um ruivo. É nos comerciais, naquelas pesquisas de rua sobre o No Limite, eles tem até uma peça sobre o preconceito que eles sofrem na sociedade onde ruivos pagam meia entrada!

Li outro dia no jornal que os ruivos estarão extintos até o ano 2060, se eu não me engano. O que vai acontecer com a população da Escócia? Por que quando eu penso em Escócia penso em ruivos de saiote tocando gaita de fole num castelo.

Como eu tenho uma certa quedinha por ruivos, torço para que eles continuem existindo, aparecendo na televisão e estimulando a venda de protetor solar mundo a fora. Reproduzam-se ruivos!

Que coisa fofa!

Que coisa fofa!

Para que serve o Twitter?

Você tem um Twitter? Vai dizer que ninguém te fez essa pergunta nas últimas duas semanas? A sua resposta é não? Como assim você ainda não faz parte dessa ferramenta indispensável da internet dos dias de hoje? Até o José Serra tem um Twitter, sabia? Não sabe quem é José Serra? Isso é outra história…

Como pioneira na arte de twittar que sou (meu olhar vanguardista não está restrito ao departamento das galochas, viu, quando eu fiz meu perfil, os brasileiros ainda não eram a maior população do site), acabei fazendo com que alguns amigos a aderissem a moda e a coisa que sempre me perguntam é pra que cargas d’água serve esse tal de Twitter?

Primeiro, se você é stalker de alguém não há nada melhor que o Twitter. Dá pra saber a que horas a pessoa que você vigia vai a padaria para poder (como quem não quer nada) esbarrar nela (por pura conhecidência). Olha que prático!

Além disso, seguindo as pessoas certas, você recebe notícias do mundo todo em primeira mão. Você viu no plantão da Globo que o Michael Jackson morreu? Meia hora antes disso no Twitter não se falava se outra coisa.

Mas a principal função do Twitter é fazer bem pra sua auto-estima. Vai dizer que não faz você se sentir melhor saber que 50 pessoas que você nunca viu na vida acham a sua rotina tão interessante a ponto de querer tudo o que você faz e pensa? Pra mim super funciona!

Então, está esperando o que? Vai lá, se inscreve no Twitter, e , se não tiver nada pra falar, recomenda o blog dessa que vos fala, e quando você estiver cheio de seguidores desconhecidos a gente conversa.

Os novos tempos

É… Devo estar ficando velha mesmo, porque eu preciso dizer que na minha época as coisas eram bem diferentes do que são hoje em dia.
Eu lembro, e não faz tanto tempo assim, que o legal era ser líder de torcida e capitão do time de futebol. Usar óculos era quase um pecado mortal e se seu oculista te liberou pra usar lente não havia motivos para não fazê-lo (mesmo que você odeie). Sua banda favorita tocava no Faustão semana sim semana não.  Onze entre dez pessoas do sexo feminino eram apaixonadas pelo Leonardo Di Caprio e já tinham visto Titanic no cinemas mais de três vezes. Qualquer pessoa com mais de 17 anos que ainda jogasse videogame (sem os primos mais novos por perto) era o mais estranho dos seres e deveria ser considerado quase um leproso.

Vamos combinar que lembrando desse tempo, o mundo parece estar de pernas pro ar. Acho que começou com a moda dos óculos de aros grossos. Depois, todas as histórias em quadrinhos ganharam adaptações para o cimena (e pode dizer, você também viu quase todas elas). Lá pelo segundo filme você começou a achar aquele menino meio esmirradinho que fez o Homem Aranha uma gracinha. De repente os jogos de última geração cansaram um pouco e todos voltaram a jogar Pacman (como se algum dia eu tivesse parado…). Até Star Trek está de volta às telonas!

E foi assim que um belo dia eu acordei e “boom”, Dia do Orgulho Nerd!!! Ainda não tinha percebido que podia dizer aos quatro ventos que aprecio coleções de quinquilharias, que estava contando os dias para a estréia do filme do Wolverine e que, no momento, meu maior sonho de consumo é um Nintendo Wii. Prontofalei.

Sou nerd mas tô na moda!

Macaco gentil

Acho que no mundo, não há pessoa mais “macaco gentil” que o meu pai (e essa contagem inclui a Clarice e a Madre Tereza de Calcutá).  Para os que não sabem, eu comecei a usar esse termo inspirada num livro sobre o comportamento dos primatas mais próximos ao homem evolutivamente, é que alguns macacos vivem fazendo favores e sendo legais com os outros só para manter a posição de liderança.

Nesse carnaval, como sempre, a familia foi para Muriqui. Uma tia minha foi também, mas como ela não tem carro foi de kombi carregando bebê e tudo. Como é tipico dessa epoca do ano, a polícia montou varios postos de fiscalização ao longo da estrada e num deles a kombi foi parada e não pôde seguir viajem, conclusão: ficou todo mundo a pé. Como nós já estavamos em Muriqui, quando minha tia ligou fomos buscar ela de carro. Até aí normal. Subindo a serra eles viram uns 3 rapazes (merece destaque que um deles estava bem acima do peso) andando em direção a Muriqui, e minha tia disse que eles estavam na mesma kombi que ela. Dá pra acreditar que depois de deixar minha tia e o pessoal dela em casa meu pai voltou na estrada pra dar uma carona pros caras? Eles acharam até que era pegadinha do Faustão.

E no fim, porque nada na minha familia acontece normalmente, na hora de sair do carro o gordinho entalou. Mas entre cansados e entalados salvaram-se todos, inclusive o carro.

Pelando os europeus

Por que aqui no Brasil é assim: virou tendência lá fora ontem, hoje a gente tá imitando (mesmo que não seja assim, uma Brastemp).

O fato é que a organização do Tim Festival confirmou a presença do rapper Kanye West no evento deste ano. E é claro que isso não tem nada a ver com o fato de uma das grandes atrações desse ano no Glastonbury ter sido o Jay Z.

Que isso! Pura conhecidência!

O Moveis Coloniais de Acaju está pra tocar num festival belga (se eu não me engano) que eu esqueci o nome. Será que com isso eles finalmente conseguem mais atenção por aqui? Eu tô torcendo!

O novo uso da palavra SUPER na língua portuguesa

Ando ouvindo por aí que vai haver uma unificação das regras ortográficas da língua portuguesa para facilicar a comunicação e integração dos países que a falam, mas na verdade a única coisa que eu entendi que que vários acentos vão sumir, mas geralmente eu não os uso mesmo…

Mas já que existe uma reestruturação em curso acho que novas regras para o uso da palavra SUPER deveriam ser acrescentadas.

Se você continua a pensar que tal palavra deve apenas ser usada antes de substantivos e adjetivos para exprimir uma ideia de grandeza e tamanho, está muito por fora. Mas não precisa se desesperar, estou aqui para esclarecer suas dúvidas:

– O SUPER deve ser utilizado antes ou depois de verbos para exprimir a ideia de entusiasmo.

Ex: _ Você vai na festa sábado?

      _ Eu SUPER vou!

…ou…

     _ Eu vou SUPER!

– O SUPER deve ser utilizado sozinho como uma exclamação positiva substituindo um verbo.

Ex: _ Voce gostou do meu vestido?

     _ SUPER!

Agora você também já pode sair por aí super se achando e super falando super pra quem quiser ouvir!